Psicopatas

Charmosos e perigosos

O que é um Psicopata?

Em termos gerais, é uma pessoa que tem comportamento antissocial, isto é, que causa danos a outras pessoas. Um psicopata é desprovido de sentimentos e emoções, como ódio, amor, medo ou alegria. A característica predominante é a frieza. Mesmo quando comete crimes não sente culpa, arrependimento ou remorso. 

Tipicamente, um psicopata é um aproveitador, um enganador, muitas vezes é um estelionatário, que se aproveita das pessoas para explorá-las emocional ou economicamente, ou tem prazer em abusar delas.

O psicopata não consegue controlar seus impulsos e visa a exercer poder sobre outras pessoas. Outra característica é a mentira, a dissimulação. 

É um sedutor, que fascina e encanta as pessoas para ganhar sua confiança. É mestre em perceber as expectativas de seu ambiente social e em adaptar-se para tirar proveito.  

O psicopata define-se por uma procura contínua por gratificação psicológica, sexual, ou para seus impulsos agressivos ou perversos. É incapaz de desenvolver empatia ou amizade autêntica com outras pessoas. Seus atos abusivos e até criminosos costumam ser premeditados. “Serial killers” (assassinos em série) são tipicamente psicopatas.

A psicopatia muitas vezes se manifesta ainda na infância, quando é geralmente confundida com agressividade. Crianças que manifestam crueldade gratuita, principalmente em relação a animais, devem ser monitoradas para talvez resgatá-las a tempo de não se tornarem delinquentes quando adultos. 

No trabalho, o psicopata prejudica os colegas pela difamação e é inescrupuloso para obter benefícios e vantagens para si. Ter um psicopata como chefe pode ser um terror para os subordinados.

As causas da psicopatia são controvertidas: há uma teoria que vê a origem na genética e na biologia (fatores naturais) e outra que interpreta a causa como estando na criação da pessoa em decorrência do meio social e da forma como é tratada (leia-se, educada) na tenra idade. 
A frequência de incidência da psicopatia na sociedade humana é estimada em 4% da população, não havendo variações entre as culturas ocidental e oriental. A má notícia é que a psicopatia em adultos é considerada não tratável e aparece como a causa de aproximadamente 25% das condenações penais nas sociedades ocidentais